Header

Header

6.18.2016

O PONTO DE ENCONTRO


Arte: Rafal Olbinski

"Ama como a estrada começa."
Mário Cesariny


                  Aceite-o sussurrou o Demônio oferecendo-me um anel de rubi... Verdadeiro(?!). Percorri-o como se percorresse um caminho. É como uma progressão de harmonias de Calle 13, não há como ilustrar o som que nos devolve a mobilidade. Há, porém, que se desfazer da velocidade que impede a fixação da paisagem. Começar em tempos lentos, tons menores, feito os Djemb's que invadem o sótão da memória e, por puro capricho estético, antecipam a partida ou, se preferir, o regresso. É preciso coragem para arejar a paisagem. Abri um olho, depois o outro, segundos depois eu era os cem olhos de Argos cravados naquele tinhoso. Peguei o anel e suspirei. Quis pedir que esperasse um instante enquanto corria a joalheria mais próxima para verificar se a joia não era falsa, mas também não queria deixá-lo ali parado, sem lhe dar uma resposta. Quem sabe se aceitasse o convite para me juntar àquele anjo de sorriso reptiliano, poderia finalmente dar cabo ao meu plano secreto de me vingar de Deus e, com sorte, talvez conseguisse arrastar um maior número de adeptos da dúvida para o inferno. Em qualquer ocasião teria recusado sem grandes cuidados, mas dessa vez, senti que não era o caso. Perguntei-me o que as cartas do meu destino faziam nas mãos daquele simpatizante do satanismo e disse a mim mesma, se aquela  não era a voz do Diabo, até então o Diabo nunca havia falado. Fecho os meus olhos para abri-los nos dele. E ele é todo ele uma rota que decola, o ruído que sobe do asfalto esfumaçado, a geada que queima a grama crespa, o campo onde as estações explodem secretamente, a decrepitude do tempo a que todos estamos sujeitos, a palavra que evola no papel em branco, o movimento vertiginoso na ponta dos meus olhos. Pela horda perigosa dos meus pensamentos deambulam aves soturnas, górgonas bisonhas, criaturas macabras, monstros viscosos, carruagens sem amo e cavalos selvagens que parecem escorregar dos quadros em que foram talhados. O Demônio diz-me que quando chegar ao destino, a estrada terá ficado para trás. Sua felicidade será a minha lembrança do caminho. "Não fale com estranhos" — conselho que cresci escutando. E ignorando.

Lídia Martins